Compartilhar
Informação da revista
Vol. 1. Núm. 3.Setembro 2018
Páginas 1-86
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 1. Núm. 3.Setembro 2018
Páginas 1-86
Acesso de texto completo
Algoritmo de relógio inteligente para detecção automatizada de fibrilação atrial
Visitas
150
Joseph M. Bumgarnera, Cameron T. Lamberta, Ayman A. Husseina, Daniel J. Cantillona, Bryan Baranowskia, Kathy Wolskib, Bruce D. Lindsaya, Oussama M. Waznia, Khaldoun G. Tarakjia
a Department of Cardiovascular Medicine, Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio, EUA
b Cleveland Clinic Coordinating Center for Clinical Research (C5Research), Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio, EUA.
Este item recebeu
150
Visitas
Informação do artigo

Contexto. A Kardia Band (KB) é uma nova tecnologia que permite que os pacientes registrem as faixas de ritmo usando um Apple Watch (Apple, Cupertino, Califórnia, EUA). A pulseira é emparelhada com um aplicativo, fornecendo a detecção automatizada da fibrilação atrial (FA).

Objetivos. O objetivo deste estudo foi examinar se a KB seria capaz de fazer a diferenciação, com precisão, entre o ritmo sinusal (RS) e a FA em comparação a eletrocardiogramas (ECGs) de 12 derivações e registros da KB interpretados por médicos.

Métodos. Foram recrutados pacientes consecutivos com FA que compareceram para cardioversão (CV). Os pacientes foram submetidos a ECG pré-CV juntamente com um registro da KB. Para os casos em que a CV foi realizada, foi obtido um ECG pós-CV juntamente com o registro da KB. As interpretações da KB foram comparadas aos ECGs analisados por médicos. Os registros da KB foram submetidos a revisão cega por eletrofisiologistas e comparados às interpretações dos ECGs. Foram medidas a sensibilidade, a especificidade e o coeficiente k.

Resultados. Foram recrutados 100 pacientes (idade 68 ± 11 anos). Oito pacientes não foram submetidos a CV por estarem em RS. Foram obtidos 169 ECGs e registros da KB simultâneos. Cinquenta e sete foram considerados não interpretáveis pela KB. Em comparação ao ECG, a KB interpretou a FA com sensibilidade de 93%, especificidade de 84% e um coeficiente k de 0,77. A interpretação de médicos dos registros da KB demonstrou sensibilidade de 99%, especificidade de 83% e um coeficiente k de 0,83. Dos 57 registros não interpretáveis pela KB, os eletrofisiologistas que os interpretaram diagnosticaram FA com sensibilidade de 100%, especificidade de 80% e um coeficiente k de 0,74. Em 113 casos em que as leituras do mesmo registro feitas pela KB e por médicos foram consideradas interpretáveis, a concordância foi excelente (coeficiente k = 0,88).

Conclusões. O algoritmo da KB para a detecção de FA com o auxílio da análise de médicos é capaz de fazer a diferenciação entre FA e RS com precisão. Essa tecnologia pode ajudar na triagem de pacientes antes da CV eletiva, evitando procedimentos desnecessários. © 2018 da American College of Cardiology Foundation. Publicado por Elsevier.

Palavras-chave:
fibrilação atrial, cardioversão, saúde digital, monitoramento de ECG, relógio inteligente
O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao em potugués

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
Política de cookies
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?