Compartilhar
Informação da revista
Vol. 1. Núm. 3.Setembro 2018
Páginas 1-86
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 1. Núm. 3.Setembro 2018
Páginas 1-86
Acesso de texto completo
Reestenose, trombose de stent e complicações hemorrágicas: navegando entre Cila e Caríbdis
Visitas
32
Juan Torradoa, Leo Buckleyb, Ariel Duránc, Pedro Trujilloc, Stefano Toldob, Juan Valle Raleighd, Antonio Abbatee, Giuseppe Biondi-Zoccaif, Luis A. Guzmánb
a Department of Cardiology, VCU Pauley Heart Center, Virginia Commonwealth University, Richmond, Virgínia, EUA; Department of Cardiology, Clinic Hospital, School of Medicine, Republic University, Montevidéu, Uruguai;
b Department of Cardiology, VCU Pauley Heart Center, Virginia Commonwealth University, Richmond, Virgínia, EUA;
c Department of Cardiology, Clinic Hospital, School of Medicine, Republic University, Montevidéu, Uruguai;
d Department of Cardiology, Hospital Italiano, Buenos Aires, Argentina;
e Department of Cardiology, VCU Pauley Heart Center, Virginia Commonwealth University, Richmond, Virgínia, EUA; Victoria Johnson Research Laboratory, Virginia Commonwealth University, Richmond, Virgínia, EUA;
f Department of Medico-Surgical Sciences and Biotechnologies, Sapienza University of Rome, Latina, Itália; Department of AngioCardioNeurology, IRCCS Neuromed, Pozzilli, Itália. 18.
Este item recebeu
32
Visitas
Informação do artigo

O campo da cardiologia intervencionista evoluiu significativamente ao longo de 40 anos ao superar diversos desafios. A introdução dos stents farmacológicos de primeira geração reduziu significativamente as taxas de reestenose, mas à custa de um aumento da trombose tardia do stent. A terapia antitrombótica prolongada reduziu as taxas de trombose de stent, mas à custa do aumento dos sangramentos. Embora o advento dos stents farmacológicos de segunda geração tenha posteriormente reduzido a incidência de trombose tardia do stent, sua natureza permanente impede a recuperação completa da estrutura e função vasculares, apresentando um risco semelhante de falha muito tardia do stent. Na era atual da cardiologia intervencionista, o equilíbrio entre trombose de stent, reestenose e sangramento apresenta-se como um desafio particularmente complexo. Nesta revisão, os autores destacam os principais fatores que contribuem para a trombose de stent tardia/muito tardia, tendo como alvo a reestenose de stent, e discutem os avanços evolutivos na tecnologia dos stents e na terapia antiplaquetária para aperfeiçoar ainda mais o cuidado aos pacientes com doença arterial coronariana. (J Am Coll Cardiol 2018;71:1676–95) © 2018 pela American College of Cardiology Foundation. Embora

Palavras-chave:
Polímeros biodegradáveis, suporte vascular bioabsorvível, sangramento, stent farmacológico, intervenção coronariana percutânea, reestenose de stent, trombose de stent
O texto completo está disponível em PDF
JACC. Ediçao en potugués

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
Política de cookies
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos?